Instituto de pesquisa do Pequeno Príncipe completa 15 anos de atuação

27 de abril, 2021

Instituição dedica-se a mais de cem projetos com o foco em doenças complexas que atingem crianças e adolescentes, com destaque para 13 estudos sobre a Covid-19.

Teste com uma única gotinha de sangue para detectar precocemente um câncer infantil que apresenta altos índices de mortalidade; novo método para realização de exame com custo significativamente menor para o diagnóstico de leucemias; investigação sobre a predisposição genética à infecção pelo coronavírus (Covid-19); desenvolvimento de um pulmão artificial 3D para teste de medicamentos para aCovid-19; análise da prevalência das imunodeficiências primárias em crianças internadas nas UTIs do Pequeno Príncipe; e investigação e diagnóstico de transtornos de déficit de atenção e hiperatividade em crianças da rede municipal de educação de Curitiba. Esses são alguns dos temas investigados pelos cientistas do Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, que completa 15 anos de atuação neste mês de abril.

Atualmente, o Instituto atua a partir de sete linhas de pesquisa com o foco em doenças complexas que atingem crianças e adolescentes. Em 2020, contou com 19 pesquisadores principais e 110 alunos de iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado, que se dedicaram a mais de cem projetos.

A diretora-geral do Instituto de Pesquisa, Ety Cristina Forte Carneiro, reforça que é por meio da ciência que se torna possível evoluir e também vencer os desafios impostos diariamente. “Hoje, mais do que nunca, dependemos da ciência para encontrar uma saída para esta grande crise provocada pela pandemia”, ressalta. Para entender a biologia do vírus e o desenvolvimento da doença, pesquisadores de todo o mundo têm trabalhado incessantemente – somente no Instituto de Pesquisa, 13 projetos relacionados à Covid-19 são realizados pela equipe da unidade. O resultado final, com benefícios proporcionados diretamente à sociedade, é o desenvolvimento de remédios eficazes para o tratamento da doença e de vacinas para a prevenção contra o coronavírus, entre outros.

De acordo com a diretora-geral do Instituto, o desafio de fazer pesquisas científicas no Brasil ainda é grande. Um dos fatores para isso é a falta de investimentos no campo da ciência. A média mundial de investimento em pesquisa e desenvolvimento como parte do Produto Interno Bruto (PIB), segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), é de 2,22%. No Brasil, a média é de 1,26%.

Para a diretora-geral do Instituto de Pesquisa, o momento atual de pandemia do coronavírus (Covid-19) mostra a importância dos estudos científicos. “São 15 anos de valorização da ciência. A criação do Instituto foi mais um passo ousado da nossa organização: propor-se a fazer pesquisa de base no Brasil, sem nenhum apoio financeiro, há 15 anos, quando a ciência não recebia a atenção e a valorização trazida pela pandemia do coronavírus. Fomos visionários porque acreditamos na ciência, no potencial dos cientistas brasileiros e na inovação para enfrentar os desafios com os quais a medicina ainda se depara”, enfatiza.

Covid-19
Um exemplo dos estudos sobre o coronavírus (SARS-CoV-2) é o trabalho desenvolvido em parceria entre pesquisadores da unidade do Pequeno Príncipe, do Centro de Produção e Pesquisa de Imunobiológicos (CPPI), da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) e da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Juntos, eles estão desenvolvendo anticorpos contra o coronavírus. O estudo imuniza cavalos para a produção de anticorpos anti-SARS-CoV-2 que serão extraídos do plasma desses animais, depois modificados e purificados em laboratório, tornando-se um tratamento para os doentes graves de Covid-19, enquanto as vacinas não chegam a todos.

Outra pesquisa é a que estuda a predisposição genética a infecções pelo coronavírus, que integra o projeto mundial “Covid Human Genetic Effort”. A iniciativa busca entender por que alguns pacientes que não são do grupo de risco desenvolvem formas graves da doença. Ao descobrir os mecanismos genéticos e imunológicos envolvidos na evolução da Covid-19 grave é possível, por exemplo, identificar novos alvos terapêuticos para o desenvolvimento de estratégias e medicamentos mais efetivos para enfrentar a doença.

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa também estão conduzindo um projeto no qual avaliam as manifestações neurológicas e neurocognitivas em crianças e adolescentes com a Covid-19 atendidos pelo Serviço de Neurologia do Hospital Pequeno Príncipe. Há, ainda, estudos que desenvolvem protocolos de avaliação de imagem radiológica em pacientes com o novo coronavírus; desenvolvem testes de diagnóstico de Covid-19 que possam ser utilizados para testagem em massa da população; e identificam fontes ambientais de contaminação do vírus SARS-COV-2.

Biotecnologia e Pediatria
Outra grande contribuição do Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe é com a formação de profissionais especializados em pediatria, por meio do Programa de Mestrado e Doutorado em Biotecnologia Aplicada à Saúde da Criança e do Adolescente, desenvolvido em parceria com a Faculdades Pequeno Príncipe. Desde a sua implantação, o Instituto já formou 86 mestres e 42 doutores. “Temos hoje no Brasil 13 cursos de mestrado e nove de doutorado na área de pediatria, o que representa um número inferior ao que havia no final da década de 1990. O número de cursos é pequeno para um país continental, com cerca de 60 milhões de pessoas abaixo de 18 anos, com grandes proporções e variações geográficas nos tipos e incidências das doenças da criança”, contextualiza o diretor científico do Instituto de Pesquisa, Bonald Cavalcante de Figueiredo. Ele ressalta, ainda, que o programa de mestrado e doutorado, ofertado a partir de 2007, é o único no Brasil com interface entre a biotecnologia e a pediatria. “Isto nos permite desenvolver ferramentas com inovações no diagnóstico e no tratamento, incluindo todas as áreas do conhecimento”, observa.

Incentivadores
Se hoje o Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe colhe os frutos de um trabalho que beneficia milhares de crianças e adolescentes de todo o Brasil, é porque 15 anos atrás o Complexo Pequeno Príncipe ousou sonhar com fazer ciência no país. Para isso, a instituição teve o apoio de grandes incentivadores, como o médico Nilson Santos (em memória) e a pesquisadora Mara Lúcia Cordeiro – hoje diretora de Relações Institucionais da unidade de pesquisa –, responsáveis pela aproximação do Pequeno Príncipe com Edson Arantes do Nascimento, o Pelé. Ao emprestar seu nome ao Instituto de Pesquisa, Pelé tem marcado um verdadeiro gol de placa no que se refere à causa da saúde infantojuvenil.

As sete linhas de pesquisa
● Doenças complexas e oncogenética
● Estudos epidemiológicos, clínicos e educacionais
● Imaginologia, proteção radiológica e radioterapia
● Medicina molecular e bioinformática
● Microbiologia e doenças infecciosas
● Neurociências
● Terapia celular e farmacológica

Informações

A Associação Nacional de Hospitais Privados Anahp é uma entidade representativa dos principais hospitais privados de excelência do país

ANAHP – São Paulo
Rua Cincinato Braga, 37,
3º e 4º andares.
Paraíso – São Paulo – SP
CEP 01333-011
+55 11 3178 7444

 

ANAHP – Brasília
SH/Sul Quadra 06, Conjunto A, Bloco E – 8º andar – Sala 801 Park
Brasília – DF
CEP 70322-915
+55 61 3039 8420

 

Assessoria de imprensa
+55 11 96402-9460
imprensa@anahp.com.br

Área do associado

  • Copyright © 2019 Anahp. Todos os direitos reservados

X